Conselho Regional de Medicina Veterinária alerta para a importância da sintonia dos agentes públicos no combate à raiva animal no Piauí

Após a confirmação de 7 casos de raiva animal em herbívoros, nos últimos quatro meses, no Piauí, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Piauí (CRMV-PI) convidou entidades de saúde animal para planejar ações conjuntas de combate à proliferação da doença no estado. A reunião aconteceu nesta quarta-feira, 23, na sede do CRMV-PI.

Por ser mais comum em cães e gatos, a raiva em herbívoros, animais que se alimentam de plantas, ainda passa despercebida por muitas pessoas. Um sagui encontrado morto, a poucos dias, na Universidade Federal do Piauí despertou nos especialistas a necessidade de orientar a sociedade para que, diante de algum animal com sintomas suspeitos, ou mesmo morto, sem motivo aparente, procurar os serviços de saúde animal para que eles tomem as providências adequadas.

“Mostrar para os agentes públicos responsáveis pelo monitoramento desses agravos, a necessidade de se intensificar ações educativas e preventivas é nosso papel como Conselho, como órgão de representação da sociedade de um modo geral e de fiscalização da profissão de médico veterinário e zootecnista”, explicou o médico veterinário, Anísio Lima, presidente do CRMV-PI.

O não cumprimento do calendário de vacinação por parte dos municípios do interior foi um ponto preocupante no que diz respeito à proliferação da doença, destacado pelos profissionais. “Vários municípios do Piauí não seguem o calendário e isso nos preocupa, então é preciso que isso seja revisto e que sejam unificadas as campanhas de vacinação no estado do Piauí”, destacou a diretora do Centro de Zoonoses de Teresina, Oriana Bezerra.

No debate também se viu a necessidade do envolvimento de outros órgãos de saúde, animal, ambiental e humana, para o fortalecimento do combate a doença. Para tanto, foi definido que outras entidades serão provocadas para intensificar ações educativas dentro das suas respectivas áreas. Órgãos de fiscalização, por exemplo, serão chamados a aumentar suas ações nos municípios do interior, além de promover ações educativas para os profissionais que lá atuam.

Foi sugerido ainda, levar ao Governo do Estado a provocação para que sejam feitas campanhas de vacinação em massa; uma cobrança mais efetiva para que os municípios sigam o calendário de forma responsável e também não deixem de notificar os casos suspeitos para que o trabalho dos agentes de monitoramento possa ter resultados mais eficientes.

“Foi importante essa reunião porque trouxe ações imediatas a serem feitas, inclusive a nível político, cobranças políticas, e também ações educativas que as entidades podem estar se mobilizando pra fazer”, finalizou o veterinário Bruno Maranhão, presidente da Comissão de Saúde Pública do CRMV-PI.

Assessoria de Comunicação do CRMV-PI