NOTA DE PESAR

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) lamenta o falecimento de seu secretário-geral, o médico-veterinário, doutor Nivaldo da Silva, ocorrido nesta terça-feira (20), em Belo Horizonte, em decorrência de complicações do acidente ocorrido em 7 de outubro. Nas próximas horas, o CFMV divulgará informações sobre o sepultamento, previsto para quarta-feira (21).

Mineiro, natural de Belo Horizonte, o doutor Nivaldo tinha 67 anos e deixa mulher, 4 filhos e 4 netos. Com profunda tristeza pela perda de seu grande companheiro, o CFMV decreta três dias de luto oficial e se solidariza com a família e os amigos para que recebam nossas preces e nossos sentimentos de solidariedade nesse momento.

Em 2018, o secretário-geral começou nova etapa de sua vida profissional aqui no CFMV, integrando o grupo eleito para fazer a nova gestão do Conselho Federal, com o lema de “Inovação e Transparência”.

Quando chegou ao Conselho, em carta aos colaboradores, afirmou que gostava de novos desafios. “Uma vez aposentado deveria estar curtindo as ‘delícias’ da aposentadoria, mas tenho um bit muito acelerado e não posso diminuir meu ritmo de trabalho”, comemorava.

Graduado como médico-veterinário pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) há 45 anos, o doutor Nivaldo fez mestrado em duas universidades (UFMG e Universidade Autónoma de Madrid) e doutorado pela Universidade Complutense de Madrid-Espanha.

Atuou como médico-veterinário clínico, cirurgião e na produção animal em uma Cooperativa de Produtores Rurais, em São Domingos do Prata (MG), trabalhando sempre com grandes animais, função que ele considerava ter sido sua primeira especialização na área.

Foi pesquisador da Embrapa e, desde os anos 1980, também foi bolsista pesquisador do CNPq.

Publicou inúmeros artigos científicos em revistas nacionais e internacionais e recebeu importantes homenagens, dentre elas, a Comenda Antônio Secundino de São José, das mãos do governador do Estado de Minas Gerais.

Por 40 anos foi docente da Escola de Veterinária da UFMG, onde atuou como orientador de mestrado e doutorado, e se aposentou como professor titular, em 2016.

Considerava que a maior honraria foi ter contribuído, como professor, para a formação de mais de 4.500 médicos-veterinários. “Isso muito me gratifica, pois fui estudante de origem humilde e, assim, pude retribuir o que recebi por ter estudado em uma universidade federal, bancada pelo povo brasileiro”,  orgulhava-se o doutor Nivaldo.

Antes de integrar a diretoria de Conselho Federal, o doutor Nivaldo foi vice-presidente e presidente do CRMV-MG depois por três gestões consecutivas.

Ao assumir o cargo de secretário-geral no CFMV, o doutor Nivaldo chegou com a certeza de trazer modernidade para enfrentar os desafios destes novos tempos. “Vamos trabalhar de uma forma colegiada e participativa, de forma que todos os nossos colaboradores e amigos possam se sentir parte da gestão e dos resultados obtidos”, disse, ao chegar.

Otimista e humilde, nos 100 dias de gestão do CFMV escreveu mais uma vez aos colaboradores, assumindo o período de aprendizagem e reforçando o compromisso da diretoria de implantar um novo modelo de gestão baseado em transparência e inovação. “Buscar sempre uma forma mais simplista e segura de fazer gestão, pois nas coisas mais simples está a essência da vida”, fez questão de destacar.

Encerrou seu comunicado de forma alegre e animada, assim como era em seu dia a dia aqui no CFMV. “Não nos sentimos donos da verdade, afinal, também temos de aprender muito, pois como cantou Gonzaguinha: É a vida, é bonita e é bonita…Viver! E não ter a vergonha de ser feliz. Cantar e cantar e cantar. A beleza de ser um eterno aprendiz… Ah meu Deus!”

Sentiremos muito a sua falta, doutor Nivaldo.

Diretoria, conselheiros e colaboradores do CFMV